quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Em círculo, sempre estaremos unidos


Caros Visitantes, Leitores e Seguidores,


Alguns de vós já me acompanham, fielmente, no Círculo da Força, há mais de 2 anos, outros visitam-me esporadicamente, outros apenas por acidente. 
Sinto-me grata por todas as vossas visitas e a última coisa que desejo é desapontá-los ou que se sintam "abandonados" por mim. 
Mas, acontece que necessito libertar-me de algumas "obrigações", ocupações e distrações, para que seja possível dedicar-me e focar-me num novo e, para mim, muito importante projeto. Se não o maior, é, pelo menos, um dos maiores e, tenho esperança,  mais gratificantes projetos da minha vida.

Há muito, procurava encontrar, dentro de mim, o rumo que queria dar à minha vida. Essa busca levou-me, por diversas vezes, a voltar a estudar, fazendo cursos, formações e pós-graduações, em diferentes áreas, e, mais recentemente, à criação de uma Plataforma de Comunicação online, entre muitas outras coisas de menor importância ou envergadura.
Embora todas essas experiências tivessem sido enriquecedoras e me tivessem aberto novas perspetivas, nenhuma delas se revelou como o fator decisivo para encontrar esse caminho e rumo.
4 órbitas de Lua, encontrei o meu caminho...ou serão caminhos...
Nunca sabemos o que a vida nos reserva, mas temos obrigação de lutar pelos nossos sonhos e pela nossa felicidade. Sabendo, à partida, que haverá sempre dias cinzentos e negros, mas que noutros o sol brilhará.
Há pouco mais de uma semana, quase, quase, na Lua Nova, decidi voltar aos meus blogs, mas, agora que a Lua, em quarto crescente, caminha para a Lua Cheia, compreendi que se quero mesmo dedicar-me, para tentar alcançar os meus objetivos, preciso de me focar neles.
Três blogs distintos que requerem a minha atenção e o meu tempo, dispersam-me e não permitem que me foque. Pelo que irei concentrar toda a minha atividade como blogger, apenas no "Caminhos & Labirintos", afinal é o mais velhinho e, no início, a minha ideia era que ele concentrasse todos os assuntos por que me interesso.

Irei manter os outros blogs ativos, este, "Círculo da Força", e o "Projeções de um Perfil Fugidio", porque sei que alguns dos meus visitantes, gostam de reler ou consultar alguns dos artigos que se encontram publicados, mas, neste blog, este será o último artigo que publico.
Será a minha despedida, mas não um adeus, pois todos me poderão encontrar sempre no "Caminhos e Labirintos", para onde exportei as páginas fundamentais deste blog e do Projeções de um Perfil Fugidio.
Em Círculo, sempre estaremos Unidos e essa União será sempre Força.




UBUNTU - EU SOU PORQUE NÓS SOMOS

terça-feira, 17 de novembro de 2015

NÃO TERÁS O MEU ÓDIO

Não terás o meu ódio,
Porque esse é um sentimento demasiado mesquinho,
Para albergar no meu coração.
Não terás a minha compreensão, 
Porque os teus atos são bárbaros, criminosos e injustificáveis.
Não me impedirás de acolher os teus irmãos, de raça ou credo,
Porque eles não são responsáveis pelas tuas ações maquiavélicas.
Não me confundirás,
Porque os meus valores não têm pés de barro, nem se baseiam em preconceitos ou tradições, utopias ou devaneios, 
Mas, sim, em humanidade.
Não terás o meu silêncio ou passividade,
Porque, por mais que tema os teus atos,
Nunca o medo calará a minha voz, nem tolherá os meus atos.
Não tolerarei as tuas bárbaras ações, 
Porque elas são indignas da humanidade.
Poderás matar-me, 
Mas nunca calarás a minha voz, que ecoará pelos tempos.
Tu és a encarnação do mal,
E, como tal deves ser combatido e aniquilado.
Tu julgas-te poderoso,
Mas o poder do mal é sempre efémero,
Pois extingue-se engolido pelas areias movediças do seu próprio ódio.
Mais do que o poder das armas, será o poder do Amor, que nasce todos os dias no coração dos verdadeiros Homens, que, Unindo-nos, conduzirá à tua extinção. 
Desejo-te que reencontres a Luz, no teu regresso às estrelas, de onde tu e eu somos originários,  pois, aqui na Terra, viverás sempre na escuridão e nunca conseguirás compreender o coração dos Homens que acedem velas ou oferecem flores.



sábado, 14 de novembro de 2015

EN DEUIL



Quando não se tem poder bélico para fazer uma guerra, utiliza-se a inteligência.
Nem todas as invasões são armadas.
Quem atira milhares dos seus próprios irmãos para a morte, o que fará aos outros com quem não tem qualquer ponto de contacto?
Quem tiver olhos que veja...
Quem tiver ouvidos que oiça...

terça-feira, 10 de novembro de 2015

UM COPO MEIO CHEIO, OU MEIO VAZIO? - UM PROBLEMA OU UM DESAFIO?

A vida prega-nos rasteiras, reserva-nos surpresas, menos agradáveis, e coloca-nos em situações difíceis, muitas mais vezes do que aquilo que nós gostaríamos ou acharíamos razoável, mas, a vida é mesmo assim.
Sentimo-nos, em muitos desses casos, completamente impreparados, devastados, impotentes, injustiçados ou revoltados, ou todas essas coisas em simultâneo, mas nenhum desses sentimentos nos ajudará a aceitar, enfrentar e/ou resolver os problemas.
Sinto-me, neste momento, perplexa perante uma situação que me assusta e que considero gravosa, anómala, insólita  e perigosa, não só para mim, como para muitos outros e para o meu país. 
A origem e evolução destes acontecimentos não depende minimamente de mim e sobre eles não tenho qualquer tipo de controlo, pelo que apenas me resta refletir sobre qual a melhor forma de me adaptar, posicionar e sobreviver, por forma a ultrapassar tudo isto, evitando o maior número de danos possível, para mim e para os que me rodeiam.
Não sei se já reparam, mas muita da linguagem e conceitos utilizados em vendas são semelhantes, em muitos aspetos, aos usados em temas relativos à espiritualidade. 
Certamente, essa sincronia tem a ver com o facto de a falta de motivação ou empenho e atitudes negativas, derrotistas. inseguras ou agressivas não nos conduzirem ao progresso espiritual, da mesma forma que não contribuem para o aumento as vendas.
Todos conhecem, com certeza, essa metáfora, incontornável, utilizada tanto em técnicas de vendas, como em reflexões religiosas ou espirituais e, até mesmo,  terapeuticamente,  que faz a analogia entre a forma como vemos o copo, meio cheio ou meio vazio, e a forma como olhamos a vida.


Para alguns existe ainda uma terceira perspetiva, pois consideram que tecnicamente o copo está sempre cheio, uma vez que a  parte que não contém líquido está sempre cheia de ar.







Na mesma linha de pensamento, muitos tentam veicular a ideia de que os problemas, afinal, não passam de oportunidades ou desafios.






Acontece que, quando nos vemos perante um problema grave, doloroso ou que nos prejudica violentamente, por vezes, alterando para sempre a nossa vida, a nossa visão fica turva e sentimos dificuldade em pôr a situação em perspetiva.

Podemos ter vários tipos de perdas e problemas complicados ou dolorosos. Se uns nos causam apenas tristeza ou depressão, outros obrigam-nos a tomar decisões difíceis ou colocam-nos em posições impossíveis e situações perante as quais nos sentimos impotentes e incapazes de as resolver. 
Muitas vezes, deixamo-nos dominar pela ansiedade ou pela depressão ou refugiamo-nos na agressividade ou em escapes ou dependências que apenas agravarão o problema ou darão origem a novos problemas.
Nesses momentos, é tão difícil ver a luz, como o copo cheio, como encarar a situação como um desafio.
Mas, sabendo que de uma forma ou de outra, tudo acabará por passar, até porque a vida passa num ápice, temos a "obrigação" de não perder o controlo dos nossos sentimentos e emoções. Temos o dever de perspetivar as situações e de encontrar as melhores soluções ou formas de resolver ou lidar com os problemas.