quarta-feira, 16 de abril de 2014

O ESPELHO







Um ato tão simples e aparentemente tão praticado: o olhar-se no espelho. Você já parou frente ao espelho e se dispôs a se olhar verdadeiramente? Olhar dentro de seus próprios olhos e fixar-se sem se sentir perturbado, ficar olhando para si mesmo e permitir que seus sentimentos aflorem, sem julgamentos, sem críticas, apenas olhar?

 
Giovanni-Bellini-Naked-Young-Woman-in-Front-of-the-Mirror-detail-2-

Pois tenho observado que isso é muito pouco praticado. É muito raro. O olhar-se no espelho é para ver se a mecha de cabelo está no lugar querido, se a roupa está combinando e sem vincos desnecessários, enfim, observar coisas ao nosso redor, mas não a nós mesmos.
Sufoco por Leila Proença

Olhar-se no espelho para se ver refletido aos próprios olhos, por incrível que pareça para a maioria das pessoas é muito "pesado". Mirar em seus próprios olhos é como penetrar em sua alma e ter revelado tudo que lá possa estar. 


Em momentos que, como terapeutas, pedimos ao cliente que se observe frente a um espelho e perceba o que está sentindo, o relato é de que "não tive tempo"; "não lembrei"; "me senti meio bobo"; e alguns poucos dizem: "senti uma ansiedade muito forte"; "não consegui ficar me olhando"; "parece que uma vergonha tomou conta de mim". Um forte constrangimento se manifesta.

Interessante que todos se colocam como quem está buscando o autoconhecimento. Se o autoconhecimento é o perceber-se como realmente se é, então, não é contraditório o fato de se ter dificuldades em se olhar, começando pelo concreto, o reflexo de sua imagem física?


Exatamente. O espelho é apenas o reflexo do que se coloca frente a ele. E quando nos vemos refletidos sem a distorção da verbalização, sem a condição de justificativas e explicações, então nos assustamos. Há um grande medo pelo que poderemos ver. Daí a famosa frase "ver sem enxergar". 
Giovanni Bellini - óleo sobre tela - 1515 - (Kunsthistorisches Museum (Vienna, Austria

Quando alguém se coloca frente ao espelho, e se fixa em sua própria imagem, está se abrindo para começar a se enxergar como realmente é. Ao "entrar" em seus próprios olhos é o vasculhar de sua vida interior, mexendo em sua existência interna, deslumbrando sentimentos e emoções adormecidas da consciência, mas não do próprio ser. Experiências já não lembradas, mas atuantes e marcantes, agindo em nossas ações, sem que se dê a elas o mérito.

Em academias, pessoas passam até horas a se admirarem frente aos espelhos. Elas dirão que esse artigo não faz sentido. Pois peço apenas que parem de olhar para seus músculos, suas coxas, cinturas e olhem diretamente para seus olhos. Fixem-se neles. Entrem dentro de si mesmos. Não precisam me dizer nada, apenas tirem suas conclusões.
Muitas vezes, o terapeuta é apenas um espelho onde o cliente obtém através de suas colocações (do terapeuta) o reflexo do que está apresentando a ele, mas nem sempre o cliente aceita o que lhe é mostrado como algo seu.
Freud apresentou a projeção como um dos mecanismos de defesa. O indivíduo vê no outro aquilo que, de fato, é seu. Apenas não identifica isso como tal. Façam um exercício de analisarem verdadeiramente o que os leva a se sentirem tão incomodados com alguns comportamentos do outro e, sem prevenções, poderão identificar que o que está irritando tanto vocês são características suas que estão sendo vistas no outro.
Olhar dentro dos próprios olhos é penetrar por um portal onde só você (e algumas raras pessoas) pode fazê-lo. Lembram-se de pessoas que quando as olham parecem que a estão desnudando? Alguns as descrevem "como se estivessem entrando na gente". 


Todos dizem querer se transformar. Mudar, lógico, para melhor. Pois façam o exercício diário: arrumem um espelho, mais ou menos de trinta centímetros de largura por quarenta centímetros de comprimento, sentem-se frente a ele por uns cinco minutos, em silêncio e olhando para dentro de seus olhos. Deixem suas mentes soltas. Façam em um local calmo e sem ninguém a observá-los, caso contrário, se sentirão expostos e não se permitirão atingir a soltura necessária. Repitam isso diariamente. Apenas cinco minutos diários. Não há desculpas, pois elas apenas fazem parte dos bloqueios que nos impedem de nos enxergarmos.
Após alguns dias, observem-se como estão, comparem-se ao antes do exercício.


UBUNTU - "Eu sou porque nós somos"

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os seu comentários, sugestões, pedidos de partilha, etc. são, para além de muito bem-vindos, essenciais para que seja possível atingir os objetivos para os quais este blog foi criado.